Make your own free website on Tripod.com

Lição 7

10 a 17 de maio


Perdoados pelo amor de Deus

 


Sábado à tarde

Ano Bíblico: II Crôn. 1–4

VERSO PARA MEMORIZAR: "Portanto, assim como vocês receberam Cristo Jesus, o Senhor, continuem a viver nEle" (Col. 2:6, NVI).

O ESCRITOR BRITÂNICO WILLIAM SOMERSET MAUGHAM certa vez disse que "a maior tragédia da vida não é que os homens perecem, mas que deixam de amar".

Ou talvez a maior tragédia não seja que as pessoas deixam de amar, mas que nunca amaram.

Quando se olha ao redor, os frutos do assim-chamado amor podem ser bem amargos. Muitas coisas feitas por amor podem fazer as pessoas perguntarem se o amor não seria uma maldição, um espasmo irracional emocional que leva as pessoas a fazerem coisas terríveis. Pense nos casamentos dissolvidos, as casas destruídas, os corações quebrados e abusados por amor. Esses exemplos, repetidos muitas vezes ao longo da História podem dar a essa palavra uma má reputação.

Mas o amor é um elemento fundamental na Criação. Em certo sentido, do interior dos átomos até as mais frias dobras do infinito, é o amor que mantém unido o Universo de Deus. Se Deus é amor, podemos estar certos de que o amor é algo bom, não importa quão mal ele às vezes se manifeste entre nós.

Mas precisamos conhecer o que é o amor, porque, como resultado do perdão recebido na cruz, temos orientação e até o mandamento para amar – tanto a Deus como a humanidade.

Nesta semana vamos explorar um pouco do que isso significa.


Domingo

Ano Bíblico: II Crôn. 5–7

Primeiro amor

"Nós amamos porque Ele nos amou primeiro" (I João 4:19).

Às vezes, os pensamentos mais profundos surgem das expressões mais simples, como I João 4:19. É uma expressão simples mas carregada de profundo significado. Ciência, tecnologia e filosofia nunca poderiam começar a sondar as profundidades deste verso; tudo que podem fazer é ricochetear, como balas de borracha contra uma parede de tijolos.

1. Leia I Coríntios 2:14. O que neste texto revela a incapacidade básica dessas outras disciplinas (ciência, tecnologia e filosofia) para discernir o significado deste verso?

A evidência textual em I João 4:19 indica que a palavra ‘O’ pode não caber neste verso; neste caso, seria: "Nós amamos porque Ele nos amou primeiro." De qualquer forma, o argumento principal continua: Só amamos porque fomos amados. E não por qualquer um, mas por nosso Criador.

E este é um aspecto crucial. Se a evolução explica nossa existência, se não somos nada a não ser mero produto casual de matéria e energia, de onde veio o amor? Como o amor – não necessariamente relacionado com a sobrevivência – se introduziu no paradigma humano? No modelo darwinista, a matéria que sofreu mutação em direção ao amor deveria estar enterrada debaixo de sete metros de detritos. O amor é uma característica inexplicável entre os que são considerados os mais aptos a sobreviver, os que alcançaram o ápice da cadeia evolutiva.

No modelo cristão, porém, o amor vem de Deus (e de quem mais?). E nós amamos porque Deus nos amou – primeiro. Note o adjetivo modificador do texto: "primeiro". Os seres humanos amam porque o amor flui de Deus para nós. Sem receber esse amor, possivelmente nunca o manifestaríamos. Embora o contexto imediato do verso fale especificamente de cristãos que professam conhecer a Deus e Seu amor, mesmo os que não conhecem nem amam a Deus, quando manifestam amor, estão simplesmente refletindo um atributo de seu Criador. Para os cristãos, porém, a resposta ao amor de Deus para nós é que nós amamos de volta, não apenas a Deus, mas também a humanidade. Dentre todos os povos do mundo, na verdade nós deveríamos ser os mais amáveis, porque sabemos que Deus nos amou primeiro.


Segunda

Ano Bíblico: II Crôn. 8 e 9

Deus enviou Seu Filho

Uma coisa é dizer que você ama alguém. Falar é fácil. Quantas pessoas professam amar alguém só para então fazer coisas que mostram muito claramente o vazio de suas palavras?

De fato, um escritor diz que o amor humano não existe, se por amor quisermos dizer que "nos interessamos abnegadamente e profundamente por outra pessoa". Por exemplo, João ama Maria, e por isso queremos dizer que João quer que Maria seja muito feliz. Mas Maria ama Carlos, e não João. Agora, se João ama verdadeiramente Maria, ele não deveria estar feliz em saber que Maria encontrou seu amor em Carlos e que Carlos a faz feliz? Afinal, se o amor é um cuidado desinteressado pela outra pessoa, João deveria estar contente por Maria ser feliz com Carlos. Agora, se ele ama Maria como o amor é entendido geralmente, João vai ficar muito infeliz com a felicidade que Maria encontrou com Carlos. O amor humano, realmente, é cheio de contradições.

2. Mas quando Deus diz que nos ama, o que significa isso? Como Ele manifestou que nos ama? Leia I João 4:8-10.

3. Por que o ato de Deus enviar Seu Filho por nossos pecados foi um grande ato de amor?

Note a semelhança entre estes versos e o texto que estudamos ontem: Os dois revelam que o amor de Deus por nós ocorreu antes de nosso amor por Ele. Não foi o nosso amor a Deus que O levou a enviar Jesus; foi Seu amor por nós, mesmo antes que nós O amássemos. De fato, mesmo que não amássemos a Deus, Ele teria enviado Jesus por nós. O amor de Deus por nós não se baseava em nada que pudéssemos dar a Ele em troca. Seu amor é muito maior que o nosso, e não depende dele.

Imagine isto: Suponha que a vinda de Cristo para morrer por nós fosse condicional, isto é, Ele só faria isso se primeiro nós tivéssemos amor suficiente para com o Pai. Se fosse assim, onde estaríamos hoje?


Terça

Ano Bíblico: II Crôn. 10–13

Amar a Deus

"Porque este é o amor de Deus: que guardemos os Seus mandamentos; ora, os Seus mandamentos não são penosos" (I João 5:3).

Qualquer pessoa, até mesmo Deus, pode dizer que ama alguém. Mas o que isso significa? Deus mostrou Seu amor por nós enviando Jesus para morrer por nossos pecados. Só quando entendemos isso é que percebemos o amor incrível que foi manifestado em nosso favor.

4. Usando estes poucos versos para começar (use outros versos de que você gosta) Isa. 53:4-6; Mat. 26:39; II Cor. 5:21; Gál. 3:13; Col. 1:16 escreva em suas próprias palavras o que aconteceu na Cruz e por que, por causa disso, nós amamos a Deus. Quem era Jesus? O que aconteceu com Ele na cruz? Que benefício nós temos por causa da Cruz?

Temos motivos para amar a Deus. Por causa de Jesus, nossos pecados foram perdoados. De acordo com o texto de hoje, mostramos nosso amor a Deus obedecendo aos Seus mandamentos. Caminhar com Jesus em obediência não é apenas uma conformidade exterior a um conjunto de regras e regulamentos. Um robô poderia ser programado para fazer isso. Nossa obediência envolve sentimentos, pensamentos, propósitos e motivos – aquelas áreas de nossa vida que são a fonte de nossas ações e comportamento. Obedecemos a Deus, não apenas porque isso nos é ordenado, mas porque amamos a Deus, porque Deus mostrou que nos ama e quer o melhor para nós. A Cruz nos mostra que podemos confiar no Senhor, que Ele tem em mente nosso melhor interesse. Não obedecemos porque queremos ser salvos mas porque Ele já nos salvou, porque, por Jesus, nossos pecados foram perdoados e temos a promessa de vida eterna. Por causa dessas coisas, amamos a Deus, e porque amamos a Deus, obedecemos aos Seus mandamentos.

"No coração renovado pela graça divina, o amor é o princípio da ação. Modifica o caráter, governa os impulsos, domina as paixões, subjuga a inimizade e enobrece as afeições." – Ellen G. White, Caminho a Cristo, pág. 59.

Por que Deus quer que obedeçamos aos Seus mandamentos? Por que a obediência aos mandamentos de Deus é uma expressão de amor?


Quarta

Ano Bíblico: II Crôn. 14–16

Andando em amor

"Se Me obedecerem fielmente e guardarem a Minha aliança, vocês serão o Meu tesouro pessoal dentre todas as nações. Embora toda a Terra seja Minha, vocês serão para Mim um reino de sacerdotes e uma nação santa" (Êxo. 19:5 e 6, NVI).

Em certo sentido, não existe nenhum grande mistério na lei de Deus e por que Ele quer que a observemos. Se alguém visse o filho se aproximando da beirada de uma laje a dez metros de altura, essa pessoa não haveria de querer que seu filho ou filha não se aproximasse? É evidente. Mas por quê? A resposta é simples: A lei da gravidade faria com que a criança batesse no chão com uma velocidade específica e calculável, que lhe faria muito mal.

E nós vivemos em um Universo com leis físicas e morais. Assim como a violação das leis físicas pode nos fazer mal, a violação à lei moral também pode nos prejudicar. Deus não quer que aconteça isso para nós.

A razão por que Deus não quer que nos aconteçam coisas ruins é simplesmente porque Ele nos ama.

"A lei dada no Sinai era a enunciação do princípio do amor. ... Deus revelara o desígnio da lei, quando declarara a Israel: ‘Vocês serão Meu povo santo’ Êxodo 22:31, NVI." – Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, pág. 46.

O amor de Deus está por trás de cada preceito de Sua lei. Os mandamentos foram estabelecidos para nossa felicidade, e os que violam esses mandamentos atraem a própria ruína.

5. Como Deus promete cumprir o propósito de conduzir Seu povo à conformidade com os princípios divinos expressos em Sua lei? Jer. 31:33; Ezeq. 36:26 e 27; Heb. 10:16

A lei de Deus não é uma questão de fazer mas de ser. A lei dos Dez Mandamentos é um código de princípios mais do que de regras e regulamentos, de "faça" e "não faça". Deus deseja que esses se tornem os princípios evidenciados em nosso caráter. É isto que Ele quer dizer quando promete escrever Sua lei em nosso coração. Ele vai torná-los a própria essência de nossa vida. Quando isto acontecer, estaremos caminhando com Cristo. A harmonia com Seus preceitos se torna nosso estilo de vida.


Quinta

Ano Bíblico: II Crôn. 17–20

O cumprimento da lei

"Não devam nada a ninguém, a não ser o amor de uns pelos outros, pois aquele que ama seu próximo tem cumprido a Lei. Pois estes mandamentos: ‘Não adulterarás’, ‘Não matarás’, ‘Não furtarás’, ‘Não cobiçarás’, e qualquer outro mandamento, todos se resumem neste preceito: ‘Ame o seu próximo como a si mesmo’. O amor não pratica o mal contra o próximo. Portanto, o amor é o cumprimento da lei" (Rom. 13:8-10, NVI).

Note nestes versos a relação que o apóstolo Paulo estabelece entre o amor e a lei. Não existe contradição ou oposição entre os dois. Em outras palavras, ele não está dizendo o que ouvimos muito freqüentemente outros cristãos dizerem (geralmente no contexto de um debate acerca do sábado): "Não precisamos guardar a lei; o que precisamos fazer é amar."

Mas é claro que não é isso que Paulo está dizendo aqui. De fato, ele parece estar dizendo o contrário. Guardar a lei não é algo que se faz como alternativa ao amor; guardar a lei é manifestação específica de amor. Este é um ponto que muitos, mesmo adventistas, tendem a esquecer.

Amar, já foi dito, é um verbo. Envolve ação. E a lei é simplesmente uma forma como o amor se manifesta aos indivíduos e a Deus.

7. Examinando o verso para hoje, o que Paulo quer dizer quando afirma que "amor é o cumprimento da lei", note também os mandamentos específicos a que ele está se referindo. Por que só esses? O que ele está tentando dizer?

Um ponto fica muito claro nestes textos: a fé em Cristo de alguma forma dispensa uma pessoa da obediência à lei. Pelo contrário. Por causa de Jesus, por causa do que Ele fez por nós, nós amamos a Deus. Se a Cruz e o que ela representa para nós não fizer uma pessoa amar ao Senhor, nada o fará. Por causa da Cruz, nós amamos a Deus (veja 1 João 3:16) e nós amamos os outros, e os Dez Mandamentos apresentam um esboço da maneira como expressamos amor a ambos. Longe de negar a lei, a salvação pela fé torna a lei um ponto ainda mais importante para quem segue a Cristo.

Como você responderia a este argumento: Quem precisa de regras para nos dizer como amar? Afinal, amar não é algo natural? Se amarmos, não faremos automaticamente a coisa certa?


Sexta

Ano Bíblico: II Crôn. 21–23

Estudo adicional

Leia, de Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, "A Espiritualidade da Lei" (Mat. 5:19 e 20), págs. 51-55.

"Não ganhamos a salvação por nossa obediência; pois a salvação é dom gratuito de Deus, e que obtemos pela fé. Mas a obediência é fruto da fé. ... Se habitamos em Cristo, se o amor de Deus habita em nós, nossos sentimentos, nossos pensamentos, nossas ações estão em harmonia com a vontade de Deus tal como se expressa nos preceitos de Sua santa lei." – Ellen G. White, Caminho a Cristo, pág. 61.

"Cristo tem de revelar-Se ao pecador como o Salvador morto pelos pecados do mundo; e, ao contemplarmos o Cordeiro de Deus sobre a cruz do Calvário, começa a desdobrar-se ao nosso espírito o mistério da redenção, e a bondade de Deus nos leva ao arrependimento. Morrendo pelos pecadores, Cristo manifestou um amor que é incompreensível; e esse amor, ao ser contemplado pelo pecador, abranda-lhe o coração, impressiona-lhe o espírito e inspira-lhe à alma contrição" – Pág. 46.

PERGUNTAS PARA CONSIDERAÇÃO:

1. Volte para a lição de segunda-feira, e à pergunta do que significa amar alguém. Como você responderia ao argumento que lida com a situação de Maria, João e Carlos? O que é verdadeiro amor? Um ser humano pode manifestar amor verdadeiro, desinteressado? Como?

2. Pense nos Dez Mandamentos no contexto do amor. Que princípios existem ali que de fato, se guardados, revelariam amor tanto a Deus como à humanidade?

3. Que perigos surgem quando se tenta guardar a lei sem o fundamento do amor? A que resultados esse tipo de obediência conduz?


 

 

Auxiliar e Comentários Adicionais


Esboço

Texto-chave: Colossenses 2:6

Objetivos:

1. Mostrar que Deus fez o primeiro movimento para salvar a humanidade.

2. Mostrar que a resposta de Deus para o pecar estava baseada nas necessidades da humanidade.

3. Revelar o amor de Deus manifestado em Jesus.

4. Estudar a relação entre o amor e a obediência.

Esboço:

I. Deus nos amou primeiro (João 3:16).

A. Nós amamos a Deus porque Ele nos amou primeiro.

B. Amamos os outros porque Deus nos amou primeiro.

C. O amor de Deus transcende o amor humano e não depende dele.

II. Amar a Deus (I João 3:18).

A. A obediência aos mandamentos de Deus é amor em ação.

B. Obedecemos porque estamos salvos, e não para sermos salvos.

C. Assim como as leis físicas, Deus deu a lei moral para nos proteger.

D. O amor de Deus por nós é revelado em Sua lei moral.

III. A lei cumprida (Rom. 13:8-10).

A. Paulo confirma a relação entre a lei e o amor.

B. Conhecemos a Deus por intermédio de Jesus.

C. Amamos a Deus por causa da Cruz.

Resumo:

"Deus ligou a Si nosso coração por inúmeras provas no Céu e na Terra. Pelas obras da natureza, e os mais profundos e ternos laços terrestres que pode imaginar o coração humano, procurou Ele revelar-Se a nós." – Ellen G. White, Caminho a Cristo, pág. 10.

Perdoados pelo amor de Deus

É o conhecimento do grande amor de Deus por nós e do sacrifício que Seu amor propiciou (João 3:16) que traz consigo a responsabilidade de amarmos aos outros. Não é suficiente reconhecermos o sacrifício de Cristo e o alívio do fardo do pecado que esse amor traz. Também precisamos aplicar esse sacrifício à nossa vida e viver e agir de acordo com ele. O sacrifício de Cristo coloca o pecador redimido sob obrigação. – O SDA Bible Commentary explica que "existe uma dívida que [o cristão] jamais poderá pagar completamente, isto é, a dívida de amor pelos seus semelhantes. ...

"O amor mútuo é uma obrigação infinita. É uma dívida que devemos estar sempre procurando pagar."Ibidem, vol. 6, pág. 628. "Cabe a nós, que estamos cientes da magnitude do amor sem igual de Deus por nós, imitar esse amor em relação com os nossos semelhantes."Ibidem, vol. 7, pág. 666.

O preço que Cristo pagou por nossa redenção requer uma mudança de coração e de vida. Não mais podemos viver só para nós mesmos. Quando entendemos que Cristo nos ama tanto que de boa-vontade tomou sobre Si os pecados do mundo para nos perdoar, experimentamos uma mudança de coração que nos habilita a alcançar aqueles que estão ao nosso redor. Ellen G. White escreve: "Há necessidade da terna simpatia de Cristo no coração de Seus seguidores professos – amor mais profundo aos que tanto valorizou que deu a própria vida para a sua salvação. Essas pessoas são preciosas, infinitamente mais preciosas do que qualquer outra oferenda que possamos apresentar a Deus." – Ellen G. White, Parábolas de Jesus, págs. 383 e 384.

Não podemos simplesmente amar a Deus. Precisamos expressar que O amamos em nossos relacionamentos. "Qualquer que seja a fé, ninguém tem verdadeiro amor a Deus se não manifestar amor desinteressado pelo seu irmão. Mas nunca poderemos possuir esse espírito apenas tentando amar os outros. O que é necessário é o amor de Cristo no coração. Quando o eu está imerso em Cristo, o amor brota espontaneamente. A perfeição de caráter do cristão é alcançada quando o impulso de auxiliar e abençoar a outros brotar constantemente do íntimo."Ibidem, pág. 384.

Cristo ama tanto os pecadores que morreu por eles. Como, então, podemos não amar os outros? "Amados, se Deus de tal maneira nos amou, devemos nós também amar uns aos outros" (I João 4:11). "Vocês receberam de graça, dêem também de graça" (Mat. 10:8, NVI).

Não podemos destacar suficientemente a importância de amar os outros como Cristo os ama. O cristão que afirma conhecer a Deus mas não ama os outros está vivendo uma mentira. "É impossível conhecer a Deus sem começar a amar nossos semelhantes."SDA Bible Commentary, vol. 7, pág. 664.

Existe uma vibrante conexão entre o amor a Deus e o amor aos outros. Deus é a fonte da qual provém todo o bem (Tiago 1:17). Sem a obra de Deus santificando nossa vida, nenhum de nós exibiria qualquer boa qualidade. "Se Deus não tivesse nos amado primeiro, não seríamos capazes de amar."SDA Bible Commentary, vol. 7, pág. 670. Como demonstra a parábola da ovelha perdida, Deus nos estende Seu amor mesmo antes de deixarmos nossos caminhos rebeldes. "Deus deu o primeiro passo. ...

"A salvação não é alcançada por procurarmos a Deus, mas porque Deus nos procura. ... Não nos arrependemos para que Deus nos ame, porém Ele nos revela Seu amor para que nos arrependamos."Parábolas de Jesus, pág. 189.

Muitos cristãos afirmam que, se Deus nos ama, não precisamos mais guardar a lei. Mas os que acreditam nisso deixam de reconhecer a íntima ligação entre a lei e o amor. Cristo disse que os Dez Mandamentos são baseados em dois preceitos básicos: (1) amar a Deus (os primeiros quatro mandamentos) e (2) amar aos outros (os últimos seis mandamentos, veja Mat. 22:37-40). I João 5:3 reforça a "ligação entre o amor a Deus e a obediência aos Seus mandamentos mostrando que um requer a existência do outro."SDA Bible Commentary, vol. 7, pág. 673. Quando pedimos que Cristo viva em nosso coração e viva Sua vida em nós, a obediência à lei deixa de ser um fardo. O relacionamento com Cristo traz consigo admiração e amor, que se derramam pelo caminho que vivemos. "Quando Deus ocupa o lugar que Lhe é devido no trono do coração, será dado ao próximo o lugar que lhe pertence. Amá-lo-emos como a nós mesmos. E só quando amamos a Deus de maneira suprema, é possível amar o nosso semelhante com imparcialidade. ...

"Nenhum preceito pode ser violado sem se transgredir este princípio." – Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, pág. 607.

Estudo Indutivo da Bíblia

Textos: Êxodo 19:5 e 6; 20:3-17; Mateus 22:35-40; Romanos 13:8-10; I Pedro 2:4-10; I João 4:7-21.

1. Muito tempo antes de Deus entregar os Dez Mandamentos a Moisés no Monte Sinai, a Lei de Deus era conhecida e guardada no Universo (Por que outro motivo teria a rebelião provocado a expulsão de Satanás e seus seguidores do Céu?). Os Dez Mandamentos (às vezes chamados de Dez Palavras de Deus na tradição judaica) esboçam simples e brevemente os princípios que protegem e destacam nossa relação com Deus e uns com os outros. Como Jesus descreveu os dois grandes princípios que estão resumidos nos Dez Mandamentos? (Veja Mat. 22:35-40.)

2. O amor de Deus é o grande princípio que impulsiona o Universo. O mais notável no amor divino, o que o torna diferente de qualquer emoção humana, é que é sempre a iniciativa de Deus, sempre em resposta à nossa necessidade. Leia Deuteronômio 7:7-9. O que existe em nós que leva Deus a querer nos tornar recipientes de um amor tão extravagante?

3. A obediência aos mandamentos de Deus é uma demonstração palpável de que somos sensíveis ao Seu amor. Mas a obediência legalista e fria é suficiente para demonstrar verdadeiramente quanto amamos a Deus? Leia Mateus 5:20. No contexto dos versos que seguem, que valor existe na obediência exterior se não for acompanhada por uma transformação interior?

4. Ellen G. White descreve o início do descanso na eternidade com estas palavras: "O grande conflito terminou. ... Desde o minúsculo átomo até ao maior dos mundos, todas as coisas, animadas e inanimadas, em sua serena beleza e perfeito gozo, declaram que Deus é amor." – Ellen G. White, O Grande Conflito, pág. 678. O que podemos fazer, como povo remanescente de Deus, para ter uma pequena antecipação da eternidade, refletindo os princípios do amor de Deus aqui na Terra? Como o perdão se enquadra no retrato?

Testemunhando

"Adote um Quarteirão" é um dos diversos esforços criados pelos Urban Light Ministries, Inc., baseado em Springfield, Ohio. "Adote um Quarteirão" é um ministério de várias igrejas cristãs para lançar-se em amor e serviço aos seus vizinhos. Cada igreja adota um quarteirão e compromete-se a visitar as casas daquele quarteirão uma vez por semana. Os membros dessas igrejas não procuram nada mais do que servir onde quer que seja necessário. Essas necessidades podem incluir tarefas simples como aparar o gramado ou ajudar pessoas de idade avançada a fazer compras. Às vezes as visitas só querem dizer "Oi" ou orar com a família.

Conforme esses cristãos servem semana após semana, oferecendo-se para servir e não querendo nada em troca, muitas vidas são mudadas e muitas pessoas são ganhas para Cristo. Este é o amor de Deus em ação: amor que "não procura os seus interesses" (I Cor. 13:5) mas o bem-estar dos outros.

Enquanto viveu entre nós, Cristo demonstrou esse tipo de amor servindo o seu próximo – todos aqueles que Ele veio salvar. Atraía os outros a Si mesmo atendendo às suas necessidades. Ele os alimentava, curava, comia entre eles e chorava com eles. Compartilhava suas experiências e entendia suas dores. Ele era o amor em ação. Amor visível. E foi isto que Ele chamou cada um de nós a fazer: amar os outros por ações e não apenas por palavras. A Bíblia nos diz: "Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração" e "ame o seu próximo como a sí mesmo"(Mat. 22:37 e 39, NVI). Que ferramenta poderosa para testemunhar! Atendendo às necessidades dos outros. Servindo-os. Amando.

Aplicações à vida diária

Ponto de partida:

Alguém disse que vir a Cristo é como se apaixonar: a vontade concorda com a mente e as emoções, e esse é um processo demorado. Aplique esta premissa ao seu relacionamento de amor com Cristo. Quanto você O ama?

Perguntas para consideração:

1. Se um adolescente falasse com desdém: "Jesus morreu. Como é que isso revela o amor de Deus?" Como você responderia?

2. O amor pode ser separado da ação? (Veja I João 5:3 e Col. 2:6 e 7.) Conte uma experiência pessoal que apóie sua resposta.

3. O amor a Deus é um princípio, mas os sentimentos também não estão envolvidos? Que experiências de Cristo, do rei Davi ou de outros personagens da Bíblia sustentam sua opinião?

4. Faça um diagrama de I Coríntios 13:1-8. Faça três colunas: 1. A idéia básica de cada verso. 2. Como Deus cumpre o amor como está descrito em cada verso. 3. Como você está vivendo o amor descrito em cada verso.

Perguntas de aplicação:

1. Pense em você mesmo. Que fraquezas, defeitos de caráter ou atos específicos em sua vida fazem você ficar admirado por Deus o amar tanto que permitiu que Seu Filho morresse por você? Como você pode usar esse ponto para refletir o amor de Deus a pessoas que tenham o mesmo problema?

2. Um antigo membro cujo nome foi removido dos registros da igreja por causa de pecado aberto e não abandonado nos negócios está de braços cruzados e grita: "Deus me ama. O que isso tem a ver com você e aquela sua igreja?" Como você responderia? Que textos bíblicos você citaria em sua resposta? Que ilustrações você usaria para explicar a importância da igreja a esse membro afastado?

3. Costumamos dizer que a lei, os Dez Mandamentos, são uma transcrição do caráter de Deus, que essa lei reflete o amor de Deus para conosco. O que isso significa? Como você entende esse aspecto da lei? Como a lei reflete o amor de Deus, especialmente quando sua transgressão provoca a morte?