Make your own free website on Tripod.com

Lição 6

3 a 10 de maio


Perdão e a Igreja

 


Sábado à tarde

Ano Bíblico: I Crôn. 7–9

VERSO PARA MEMORIZAR: "Irmãos, se alguém for surpreendido em algum pecado, vocês, que são espirituais, deverão restaurá-lo com mansidão; Cuide-se, porém, cada um para que também não seja tentado. Levem os fardos pesados uns dos outros e, assim, cumpram a lei de Cristo" (Gálatas 6:1 e 2, NVI).

O ESCRITOR PHILIP YANCEY começou seu livro What’s So Amazing About Grace? (Por que a Graça é tão Surpreendente?) com uma história verdadeira que lhe foi contada por alguém que trabalhava com os pobres em Chicago. O homem contou a Yancey que uma prostituta, para sustentar seu vício das drogas, estava disposta a alugar a filha de dois anos de idade para fazer sexo com quem quisesse pagar. O espantoso nesta situação horrível, foi que o homem perguntou se ela já havia pensado em ir a uma igreja em busca de ajuda.

"‘Igreja!’ ela lamentou. ‘Por que ir lá? Eu já estou me sentindo tão mal comigo mesma. Eles só me fariam sentir pior.’" – Pág. 11.

Que estranho – o tipo exato de pessoas que era atraída a Jesus quando Ele estava em carne, agora com medo de ir para a igreja que leva o Seu nome.

Talvez com muita razão. Afinal, vender a própria filha de dois anos de idade para sexo? Como a sua igreja atenderia alguém que viesse à sua porta com uma história dessas? Como deveria ser?

Nesta semana vamos examinar esta questão importante: A Igreja e o perdão.


Domingo

Ano Bíblico: I Crôn. 10–12

Pecado na igreja – I

"Por toda parte se ouve que há imoralidade entre vocês, imoralidade que não ocorre nem entre os pagãos, a ponto de um de vocês possuir a mulher de seu pai" (I Cor. 5:1, NVI).

Jesus veio para salvar os perdidos. Quando lemos histórias como esta, podemos entender melhor o que significa essa idéia.

Paulo diz que "por toda parte se ouve" que existe imoralidade na igreja. Em outras palavras, não é um rumor vago, alguma pequena fofoca apimentada que escapou. Ele tem boas razões para crer no relato sórdido.

A palavra para imoralidade forma a raiz da palavra portuguesa "pornografia". No grego do tempo de Paulo, significava algum tipo de relações sexuais ilícitas. Neste caso, porém, o tipo de imoralidade é deixado bem claro: um homem está tendo relações sexuais com a esposa do seu pai – em outras palavras, sua madrasta (veja Lev. 20:11). Nenhum detalhe é dado a respeito da relação atual da mulher com o pai da pessoa. Eles ainda estavam casados ou divorciados? O pai estava morto? O homem se casou com essa mulher, ou eles estavam meramente vivendo juntos?

Paulo parece não se importar com os detalhes. Ele considera a relação uma abominação, uma prática que ele diz que não é aceitável, mesmo entre os pagãos.

E agora está acontecendo na igreja?

1. Leia I Coríntios 5:2. O que Paulo está dizendo para a igreja de Corinto? Por que o problema que ele está tentando corrigir é muito maior do que exposto por este membro transgressor?

O próprio texto não explica o motivo para a atitude de Paulo a respeito deste grave pecado. Talvez o membro da igreja fosse muito rico. Talvez a igreja tivesse noções impróprias do que significava ser seguidor de Jesus. Em vez de lamentar a situação, eles eram realmente "soberbos", orgulhosos, se não sobre o pecado específico, talvez a respeito do sua própria condição espiritual. Talvez eles se sentissem orgulhosos por sua atitude tolerante, amorosa e generosa para com o pecador. Quem sabe? O que sabemos é o que Paulo sentiu não apenas pelo ato mas pela atitude da igreja diante dele.

Aplique essa mesma situação à sua igreja local. Que motivos sua igreja, ou qualquer igreja, teria para não agir apropriadamente em uma situação tão ofensiva?


Segunda

Ano Bíblico: I Crôn. 13–16

Pecado na Igreja – II

"Entregue a Satanás para a destruição da carne, a fim de que o espírito seja salvo no Dia do Senhor [Jesus]" (I Cor. 5:5).

Embora Paulo não estivesse em Corinto quando esse problema ocorreu, ele comunicou à igreja o que pensava que deveria ser feito. De fato, ele disse em I Coríntios 5:3 que embora não estivesse lá pessoalmente para testemunhar o que estava acontecendo, ele já havia feito juízo sobre "o autor de tal infâmia" (I Cor. 5:3).

2. Leia I Coríntios 5:4 e 5. O que Paulo diz que se devia fazer com o membro envolvido nessa relação pecaminosa e vergonhosa? Em nome de quem eles deveriam agir? Veja Efésios 5:24. Por que isso é tão importante?

As palavras de Paulo soam severas demais. Embora esteja falando de remover o homem, Paulo realmente fala de entregá-lo a Satanás. O que isso significa? Os comentaristas geralmente concordam que Paulo parece estar dizendo aqui que essa pessoa, por desafiar teimosamente ao Senhor, afastou-se do Senhor, e a igreja deve reconhecer essa escolha removendo-o da comunidade da fé. Mas, ao mesmo tempo, Paulo também não quer que eles o abandonem. Existe um aspecto redentivo a ser encontrado no verso 5. A entrega de um pecador a Satanás também aparece em I Timóteo 1:20. A idéia de "destruição da carne" (I Cor. 5:5) talvez tenha o sentido de que, por causa do castigo, o homem haverá de corrigir suas ações pecaminosas e, como resultado, será salvo "no Dia do Senhor Jesus" (I Cor. 5:5).

3. Leia I Timóteo 1:20. Que semelhança você vê com o que Paulo disse aos coríntios a respeito do destino desse homem?

O objetivo da remoção não era apenas disciplinar, mas na verdade era algo que poderia levar o pecador ao arrependimento e, finalmente, à restauração. De fato, alguns crêem que foi exatamente isso que aconteceu.


Terça

Ano Bíblico: I Crôn. 17–20

"Reafirmem seu amor"II Cor. 2:1-11

Embora os comentaristas não estejam de acordo entre si, alguns crêem que a pessoa mencionada neste texto era, de fato, o homem que estava tendo relações sexuais ilícitas com a mulher do seu pai (veja a lição de ontem).

De qualquer forma, este ponto é claro dos textos: o membro disciplinado deveria ser restabelecido à plena comunhão. Assim como a igreja o havia condenado em sessão pública, a igreja deveria restaurá-lo publicamente. O apóstolo estava pedindo uma ação formal a fim de assegurar o amor da congregação a esse membro. Dessa forma, nenhuma dúvida poderia ser levantada sobre sua plena restauração no futuro. Eles deveriam confirmar seu amor para com ele.

4. Leia os versos 7-10. Escreva os três verbos que Paulo usa para descrever a atitude que deveriam ter para com essa pessoa:

O que Paulo parece estar dizendo é que uma vez que a pessoa foi exposta em público como pecadora, se depois deu testemunho de arrependimento, é imperativo que a igreja deixe igualmente claro que a pessoa envolvida está perdoada e é aceita novamente como membro da família. O que é condenado em público não pode ser apagado em particular. Em outras palavras, a graça que Deus nos dá quando nos arrependemos e abandonamos o pecado precisa ser refletida pelo corpo que representa Cristo, isto é, Sua Igreja.

5. Realmente, Paulo é tão positivo a esse respeito que no verso 11 ele diz que não tratar assim essa pessoa seria cair em uma das armadilhas de Satanás. De que tipo de armadilhas ele dispõe? Jó 1:9-12; Zac. 3:1 e 2; Apoc. 12:10

Deus é de misericórdia, perdão, graça e amor; Seu povo não é nada se não refletir esses atributos, não só como indivíduos mas também como um corpo.


Quarta

Ano Bíblico: I Crôn. 21–24

Reafirmem seu amor – II

Vamos voltar para a lição de terça-feira. Alguém fez alguma coisa que trouxe a repreensão coletiva da igreja. Qualquer que tenha sido seu pecado (talvez mesmo tendo uma relação sexual ilícita com sua madrasta), ele obviamente fez o necessário para satisfazer Paulo e a igreja a fim de ser restaurado à comunhão.

Mas também é claro que Paulo estava preocupado em que essa pessoa não fosse consumida "por excessiva tristeza" (II Cor. 2:7). Deste modo, ele pede à igreja que confirme seu amor para com ele (v. 8).

Sobre este assunto, o SDA Bible Commentary, diz: "Confirmar. Gr. Kurow, ‘ratificar,’ ‘confirmar’, ‘reafirmar’ (cf. Gál. 3:15). Este era um termo legal usado para validar um acordo. Aqui ele significa ratificar ou confirmar por decreto ou voto da igreja (veja em Mat. 18:18). Agindo com poder coletivo, a igreja devia revogar sua ação anterior e restabelecer o homem à comunhão. A disciplina fora administrada por uma ação formal da parte da igreja; a restauração à comunhão não devia ser menos pública e oficial. O homem deveria ter a plena certeza do favor de seus irmãos da igreja. Assim, no futuro, não poderia surgir qualquer dúvida sobre a validade de seu restabelecimento." – Vol. 6, pág. 838.

Embora essas ações sejam boas em nível coletivo, o que as pessoas poderiam fazer individualmente a fim de ajudar essa pessoa a entender e aceitar que fora perdoada e aceita novamente no corpo da Igreja?

Como igreja, os adventistas do sétimo dia há muito apóiam certos padrões morais, padrões que ajudam a definir quem somos. E, como igreja, devemos fazer isso. Mas, ao mesmo tempo, precisamos ser cuidadosos para não nos tornarmos tão rígidos e inflexíveis que esqueçamos o lado humano daqueles com quem mantemos comunhão e que esperamos que apóiem e sigam esses padrões.

Somos todos pecadores; somos todos seres debilitados pelo pecado; todos somos carentes da glória de Deus. A graça de que precisamos para nós mesmos (e todos precisamos dela) da mesma maneira deveríamos estar dispostos a dar livremente aos outros, que talvez não tenham pecado tão seriamente quanto nós mesmos. E mesmo que seus pecados sejam muito mais graves, lembre-se: graça é um favor não merecido. É algo dado aos que não a merecem.


Quinta

Ano Bíblico: I Crôn. 25–27

Disciplina eclesiástica

"Em nome do Senhor Jesus, reunidos vós e o meu espírito, com o poder de Jesus, nosso Senhor" (I Cor. 5:4).

A Bíblia deixa este ponto muito claro: Cristo estabeleceu Sua igreja na Terra, e é dEle que a igreja recebe sua autoridade.

6. O que os versos seguintes nos ensinam sobre a autoridade da Igreja?

Mat. 16:19

Efés. 1:22

Efés. 5:23

Note também a autoridade que Paulo reconhecia na igreja local em Corinto. Em I Coríntios 5:4, ele lhes disse para agirem em nome de Jesus Cristo quando estivessem removendo aquele que vivia em pecado aberto e ousado.

Naturalmente, a Igreja não é composta de uma única pessoa. A Igreja é um corpo de crentes organizados para o trabalho de proclamar o evangelho, entre outras coisas. Mas o importante aqui é que nenhum indivíduo na Igreja tem autoridade para fazer as coisas que Paulo diz à Igreja como um todo para fazer. Em I Coríntios 5:4, ele destaca que quando estiverem "reunidos" em nome de Jesus, vocês poderão agir. Há sabedoria na multidão de conselheiros. Esses tipos de ação precisam ser empreendidos em nível coletivo, com os líderes devidamente nomeados da igreja sob a unção do Espírito, buscando lidar com os problemas que surgem dentro da própria igreja. Ninguém individualmente deve receber carta branca para decidir esses assuntos.


Sexta

Ano Bíblico: I Crôn. 28 e 29

Estudo adicional

Veja no Manual da Igreja Adventista do Sétimo Dia, "Disciplina Eclesiástica," págs. 177-192.

"Dentre os mais sérios males que se haviam desenvolvido entre os crentes coríntios, estava o de haverem retornado a muitos degradantes costumes do paganismo. A apostasia de um converso tinha sido tal que sua atitude de licenciosidade constituía uma violação até do mais baixo padrão de moralidade adotado pelo mundo gentio. O apóstolo insta com a igreja para que afaste de seu seio ‘o que cometeu tal ação’. ‘Não sabeis’, admoestou ele, ‘que um pouco de fermento faz levedar toda a massa? Alimpai-vos pois do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento.’" – Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, págs. 303 e 304.

"Entes humanos são a propriedade de Cristo, resgatados por um preço infinito, e Lhe estão vinculados pelo amor que Ele e o Pai têm manifestado. Quão cuidadosos devemos por isso ser em nosso trato recíproco! O homem não tem direito de suspeitar mal do seu semelhante. Os membros de igreja não têm direito de seguir seus próprios impulsos e inclinações no trato com irmãos que têm cometido faltas. Não devem nem mesmo manifestar qualquer preconceito em relação a eles, porque assim fazendo implantam no espírito de outros o fermento do mal. Relatos desfavoráveis a algum irmão ou irmã são transmitidos entre os irmãos de um para outro e praticam-se erros e injustiças pelo único fato de se não estar disposto a obedecer às instruções do Salvador. – Ellen G. White, Obreiros Evangélicos, pág. 498.

PERGUNTAS PARA CONSIDERAÇÃO:

1. Leia Mateus 18:15-18 no contexto da lição desta semana. Em que sentido estes versos ampliam o que estudamos nesta semana sobre a autoridade, misericórdia e disciplina da Igreja?

2. Se possível, consulte a seção do Manual da Igreja Adventista do Sétimo Dia sobre "Disciplina Eclesiástica". Como os princípios esboçados na lição desta semana se comparam com o manual?

3. O Manual da Igreja Adventista do Sétimo Dia diz que a Igreja "reconhece a necessidade de exercer grande cuidado para proteger os mais altos interesses espirituais de seus membros, assegurar um tratamento imparcial e salvaguardar o bom nome da Igreja". – pág. 187. Como os princípios estudados nesta semana, se forem seguidos, podem nos ajudar a pôr em prática esses objetivos? Como o perdão mostrado aos membros desencaminhados pode ajudar a pôr em prática esses objetivos? Em que casos o resultado pode ser negativo?


 

 

 

 

Auxiliar e Comentários Adicionais


Esboço

Texto-chave: Gálatas 6:1 e 2

Objetivos:

1. Mostrar que o pecado existe, mesmo na igreja.

2. Esboçar como Deus aconselhou a igreja a tratar com o pecado público.

3. Fortalecer a fé dos membros da classe na autoridade e responsabilidade da igreja, dada por Deus, para disciplinar e restaurar.

Esboço:

I. Pecado na igreja (I Cor. 5:1 e 2).

A. Paulo trata sobre uma relação abominável na igreja de Corinto.

B. A fim de restaurar o membro, a ação disciplinadora era necessária.

II. Confirmem seu amor (II Cor. 2:1-11).

A. O objetivo da disciplina da igreja é restabelecer o membro à plena comunhão.

B. Se a disciplina for pública, a restauração deve ser pública.

C. A igreja deve tratar o membro arrependido como Cristo trata cada um de nós quando nos arrependemos.

III. Disciplina eclesiástica (I Cor. 5:4).

A. Cristo deu Seu poder e autoridade à igreja.

B. A igreja, e não um indivíduo, deve lidar em oração com os problemas que surgem.

C. A igreja deve pedir que o Espírito Santo conceda sabedoria e compaixão.

Resumo:

"Todo o Céu toma interesse na entrevista que se efetua entre o ofendido e o ofensor. Se este aceita a repreensão ministrada no amor de Cristo, reconhecendo sua falta e pedindo perdão a Deus e ao irmão, a luz celestial lhe inundará a alma. A controvérsia estará terminada e restabelecida a confiança." – Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, vol. 7, pág. 261 (em preparo).

O perdão e a igreja

Gostaríamos que não fosse assim, mas os membros da igreja são humanos. Dessa forma, eles se acham tão sujeitos às tentações como as outras pessoas. Quando os cristãos caem em tentação, o pecado entra na igreja e deve ser enfrentado. A maneira como Paulo lidou com o pecado na igreja é um excelente exemplo para nós.

A natureza do pecado em I Coríntios 5 aparentemente era óbvia e de conhecimento geral entre os membros da igreja. Também era de tal natureza que até os não crentes o condenavam. Que esse pecado fosse tolerado dentro da igreja era assustador até para Paulo, e ele cria que a disciplina devia ser rápida e decisiva.

"Os crentes coríntios deviam ter-se preocupado muito com o mal em seu meio e deviam ter prosseguido para remover o ofensor da igreja."SDA Bible Commentary, vol. 6, pág. 689. Sua falta de ação estava afetando a missão da igreja. Deus não pode abençoar Seu povo quando permite conscientemente que o pecado manifesto cresça em seu meio.

Paulo recomendou que o ofensor fosse "entregue a Satanás para a destruição da carne, a fim de que o espírito seja salvo no Dia do Senhor [Jesus]" (I Cor. 5:5). À primeira vista, este parece um castigo particularmente severo, incompatível com nossa compreensão das necessidades de mostrar amor e compaixão. Mas geralmente se entende que este verso está recomendando a remoção do pecador da comunidade da igreja. Fazendo assim, a igreja não estaria condenando o pecador a um castigo desnecessariamente injusto e abusivo. Realmente, está reconhecendo a escolha que o pecador fez para si mesmo. "Só existem dois reinos espirituais neste mundo: o de Deus e o de Satanás. A pessoa que renuncia ao serviço do reino de Deus, entra automaticamente no serviço do reino de Satanás. A igreja realmente não faz a transferência, mas ratifica a escolha já feita pelo membro ofensor."SDA Bible Commentary, vol. 7, pág. 292.

O propósito dessa oração é realmente reparador, como Paulo explica na segunda metade de I Coríntios 5:5. "A disciplina eclesiástica tem a intenção de acordar os ofensores para sua situação perigosa e revelar a necessidade de arrependimento e contrição. Tendo sido corrigido e humilhado pelo castigo, o pecador pode ser restaurado a uma vida de virtude e fé."SDA Bible Commentary, vol. 6, pág. 690.

A liderança da Igreja disciplina os membros errantes porque Deus lhe deu a autoridade de fazer isso. "Os líderes da Igreja, junto com a congregação, são autorizados a tomar ação disciplinar em nome de Cristo quando for necessário, e essa ação, quando são seguidos os procedimentos adequados, é ratificada no Céu. ... O próprio Deus respeita a autoridade que delegou à Sua igreja, e trabalha por intermédio de Seus próprios agentes apontados para a conduta de Sua obra na Terra."Ibidem, pág. 690.

Quando precisam disciplinar membros em erro, os líderes da igreja devem ser cuidadosos para fazer tudo no espírito correto. "O trato bem-sucedido com os pecadores não é alcançado fazendo-se denúncias amargas, ridículo ou sarcasmo, tornando públicos os pecados. O que essas armas severas não podem realizar pode ser conseguido pelo interesse afetuoso, com ‘muitas lágrimas.’"Ibidem, pág. 836. Quando abordados dessa maneira, é muito mais provável que os membros caídos voltem para a igreja depois que se arrependerem. A generosidade sempre deixa a porta aberta para uma relação renovada.

Em II Coríntios 2, Paulo aconselha que a igreja de Corinto receba sinceramente de volta o membro removido, uma vez que chegue a perceber seu pecado. "Onde existe genuíno arrependimento o caso deve ser trazido a um fechamento, sem referência adicional ao incidente e com aceitação sincera da pessoa perdoada. ...

"A igreja deve receber de volta este irmão como Deus recebe em Seu favor um pecador penitente."Ibidem, págs. 837 e 838.

Qualquer ação disciplinar tomada pela igreja deve ser apresentada em espírito de amor e interesse pelo bem-estar espiritual da pessoa que errou. Embora a remoção do errante da comunhão da igreja possa ser necessária como último recurso para alguém que é inflexível na recusa de abandonar o pecado, o enfoque nunca deveria deixar de ser a busca de caminhos para redimir essa pessoa.

Estudo Indutivo da Bíblia

Textos: Mateus 18:15-20; I Coríntios 5:1-5; II Coríntios 2:1-11.

1. Ser membro da igreja de Cristo significa ter privilégios e responsabilidades. Ser cristão significa abraçar os valores e atributos refletidos na própria vida e ministério de Cristo. Assim, qual é a nossa responsabilidade para com aqueles que abandonaram os princípios do reino de Deus? Dê exemplos de como Jesus lidou com os "pecadores".

2. Usando a analogia da igreja como um "hospital para pecadores", como a situação da igreja de Corinto forçou Paulo a fazer uma declaração sobre o comportamento imoral de um de seus membros? Que outras escolhas ele tinha?

3. Em II Coríntios 2 Paulo persuadiu os crentes de Corinto a reabilitar o irmão caído. Que coisas específicas aconteceram para mudar a situação? Que perigo eles tinham que evitar (v. 7)? Todos os casos de disciplina na igreja são conduzidos dessa maneira? O que devemos fazer quando isso não acontece?

4. Nenhuma leitura de Gálatas 6:1 está completa sem a leitura de Gálatas 6:2. Muitas vezes as pessoas só estão dispostas a aplicar correção, mas quando alguém precisa de ajuda para carregar os fardos, ninguém está disposto a ajudar. Por que é importante envolver-se na restauração? Qual é a condição prévia do envolvimento?

5. Você concorda com esta declaração? Toda disciplina da igreja é redentiva. O que se pode fazer para certificar-se de que a disciplina administrada por sua igreja é redentiva? Quando acaba a justiça e começa a misericórdia (perdão)?

Testemunhando

Queila, de seis anos de idade, sabe que deve ser obediente. Ela também sabe que existem conseqüências quando ela desobedece. Às vezes, a conseqüência é ir para o quarto. Ela é removida temporariamente da presença da família, que a ama. Mas quando aprende e entende que não pode ser desobediente, ela é recebida de volta com os braços abertos na comunhão da família.

A igreja é a família de Deus e Sua representante na Terra. Os padrões da igreja foram estabelecidos pelo próprio Deus nos Dez Mandamentos. Deus quer que Seu povo, que são Seus representantes, apóie e viva de acordo com esses padrões e ensine aos outros a fazerem o mesmo.

Quando um membro da família de Deus vive em pecado aberto, comprometendo os padrões de Deus, pode ser necessário remover essa pessoa da comunhão da igreja. Mas quando isso acontece, a família da igreja deve ver isso como uma separação temporária e, com amor, procurar trazer essa pessoa de volta à comunhão da igreja. Deus não quer que afastemos ninguém dEle, não importa quão grande seja o seu pecado. "Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus" (Rom. 3:23). Apesar de não serem pecados abertos e deliberados, todos nós temos pecados que nos esforçamos para vencer.

O povo de Deus deve esforçar-se para alcançar os que estão separados da igreja, testemunhando para eles e ajudando-os a ver o erro que estão cometendo. Precisam saber que eles ainda são amados e queridos na família de Deus.

Aplicações à vida diária

Ponto de partida:

Faça um desenho de uma pizza de quatro pedaços. Sobre o quadro escreva ‘Perdão’. Na borda exterior de cada parte, escreva uma destas etiquetas: Física, Emocional, Espiritual, Social. Sombreie ligeiramente com lápis vermelho as áreas em que tem mais dificuldade para aplicar Gálatas 6:1 e 2. Com um lápis azul, sombreie as áreas em que você tem mais facilidade para aplicar essa passagem. O que você precisaria fazer para chegar a um quadro totalmente azul?

Perguntas para consideração:

1. Algumas denominações historicamente utilizaram a acomodação, rebaixando os padrões de Cristo a fim de ganhar conversos. Qual é o resultado?

2. Qual costuma ser o resultado de rebaixar os padrões cristãos na igreja, na escola e em casa? Como o rebaixamento dos padrões afeta o perdão?

Pergunta de aplicação:

Qual é a diferença entre acomodar as pessoas em seu pecado e aceitar as pessoas onde estão a fim de conduzi-las a padrões mais elevados? Que ajuda Isaías 40:28-31, João 1:12, e Filipenses 4:13 oferecem? Que idéias as histórias de Raabe e/ou Davi e Bate-Seba lhe dão?