Make your own free website on Tripod.com

Lição 2

5 a 12 de abril


O perdão na Bíblia hebraica

 


Sábado à tarde

Ano Bíblico: II Sam. 13 e 14

VERSO PARA MEMORIZAR: "E, passando o Senhor por diante dele, clamou: Senhor, Senhor Deus compassivo, clemente e longânimo e grande em misericórdia e fidelidade; que guarda a misericórdia em mil gerações, que perdoa a iniqüidade, a transgressão e o pecado, ainda que não inocenta o culpado, e visita a iniqüidade dos pais nos filhos e nos filhos dos filhos, até à terceira e quarta geração!" (Êxodo 34:6 e 7).

EM JULHO DE 144 d.C, Marion foi condenado como herege e excomungado por ensinar que o Deus do Antigo Testamento era um ser mau que não podia ser o mesmo Deus bondoso, amante, paciente e perdoador do Novo Testamento.

Embora essa posição seja errônea, alguns até hoje tendem a pensar que o Deus do Antigo Testamento não é o mesmo Deus do Novo, especialmente como é revelado por Jesus.

Claro, é o mesmo Deus – um Deus amoroso e misericordioso que perdoa a todos os que vão a Ele em verdadeira penitência e fé, não importa quão maus eles tenham sido e não importa quantas vezes fizeram uso de Sua misericórdia e perdão.

Nesta semana, vamos explorar a profunda riqueza da natureza perdoadora de Deus, como é revelada em alguns dos livros da Bíblia hebraica; neles, veremos o amor de Cristo manifestado séculos antes de Jesus viver em carne.

Domingo

Ano Bíblico:II Sam. 15–17

O Deus perdoador

"Ele, porém, que é misericordioso, perdoa a iniqüidade e não destrói; antes, muitas vezes desvia a Sua ira e não dá largas a toda a Sua indignação" (Sal. 78:38)

A Bíblia está cheia de exemplos do perdão de Deus concedido à humanidade. O tema salta de suas páginas. O motivo é claro e simples. A Bíblia é um livro que trata da interação de Deus com a humanidade; isto é, a humanidade caída que, por causa da transgressão, afastou-se de sua única fonte de vida e que, portanto, tem uma necessidade desesperada do perdão de Deus. Em resumo, precisamos do perdão, e Deus supriu essa necessidade. Se não fosse assim, não teríamos qualquer esperança.

1. Examine estes textos: Sal. 51:4; Dan. 9:8; Jer. 51:5. O que eles têm em comum? Como nos ajudam a entender por que precisamos do perdão divino?

Quando uma pessoa viola uma lei penal, mesmo que esse ato envolva ferir outra pessoa, a violação é considerada um ato contra o Estado. Aquela pessoa transgrediu uma lei do Estado; Assim, ela é julgada como se tivesse agido contra o Estado, que criou a lei.

Da mesma forma, o pecado – haja ou não outra pessoa envolvida diretamente – é sempre um pecado contra Deus, Aquele que estabeleceu a lei como o fundamento moral de Seu governo. Agora, se todos os seres humanos pecaram, e todo pecado é contra Deus, segue-se que todos pecaram contra Ele. É de se surpreender, então, que precisamos do Seu perdão?

Felizmente, Deus é misericordioso, amante e compassivo. É por isso que Ele está disposto a perdoar, vez após outra (afinal, nós pecamos vez após outra). Se Ele não perdoasse, que esperança teríamos?

O Antigo Testamento tem inúmeros exemplos do perdão divino. Precisa ter, porque está cheio de exemplos do pecado humano, e se não fosse pela promessa e pela realidade do perdão, esse pecado levaria à morte. O Antigo Testamento é um livro cheio de esperança, porque é um livro cheio de perdão.


Segunda

Ano Bíblico: II Sam. 18 e 19

Levar, purificar, perdoar

O Antigo Testamento está cheio de exemplos do perdão de Deus. A palavra traduzida como ‘perdoar’ freqüentemente vem de três palavras principais, plenas de significado. Cada uma exemplifica um aspecto diferente do perdão; tomadas juntas, elas formam um belo quadro que nos ajuda a entender o conceito como aparece na Bíblia hebraica.

2. Examine os textos a seguir: Êxodo 32:32; Salmo 25:18; Salmo 32:1. A palavra hebraica traduzida como "perdoar" vem de uma palavra que tem o significado básico de "levar", "carregar". Nas linhas abaixo, escreva como esse significado básico, aplicado aos textos, o ajuda a entender como Deus perdoa:

Leia Deuteronômio 21:8 e Jeremias 18:23. A palavra traduzida para "perdoar" aqui vem de uma raiz que significa "expiar", "remir", "pagar" (Lev. 1:4; 4:20 e 35); isso faz sentido, porque a expiação é o fundamento do perdão. A palavra também tem o significado de "purificar", "remover", e até "cobrir" (em Gênesis 6:14 o verbo "calafetar" vem da mesma raiz). Novamente, escreva como o fato de conhecer estes significados o ajuda a entender o conceito do perdão:

Em Levítico 4:26; 5:10; I Reis 8:30; Salmo 86:5 e Jeremias 31:34 o verbo hebraico "perdoar" tem o significado mais comum.

Tome o que você aprendeu destas palavras de diferentes raízes e os versos em que são usadas e escreva o que você compreendeu por perdão, como aparece no Antigo Testamento. A base do perdão é diferente no Novo? Quais são as diferenças, se é que existem?


Terça

Ano Bíblico: II Sam. 20 e 21

O Senhor Se arrepende – (Êxo. 32:1-14)

Imagine que alguém – não tendo visto a Bíblia nem ouvido qualquer coisa sobre o Deus revelado nela – achasse um fragmento que só contivesse Êxodo 32:1-14. Escreva o que essa pessoa poderia pensar sobre Deus. Por que essa seção sozinha poderia dar uma impressão errônea sobre o caráter de Deus?

A maioria das pessoas crê que Moisés, intercedendo diante do Senhor, tenha convencido Deus a não eliminar os hebreus por terem adorado o bezerro de ouro, ainda que, pensando bem, Deus poderia ser justificado ao fazer isso. Veja o que o Senhor fez por eles na libertação miraculosa do Egito depois de permanecerem ali por séculos (Êxo. 12:41), veja quão rápido eles se afastaram de Deus (Êxo. 32:8), e o fato de que pecaram apesar da ordem clara de Deus de que não fizessem exatamente o que estavam fazendo (Êxo. 20:3-6). Mesmo assim, mesmo depois disso, Deus estava disposto a perdoá-los. Longe de apresentar um Deus severo que cede só porque algum ser humano pecaminoso Lhe pede, esta história é um exemplo da disposição de Deus para perdoar Seu povo, embora não mereça isso.

3. Cremos que o Deus apresentado nesta história seja Jesus de Nazaré. Veja João 8:58; 14:9; e I Coríntios 10:1-10. Que exemplos na vida de Jesus revelam esta mesma disposição de perdoar os que não merecem?

Muitos ficam confusos com a expressão achada em Êxodo 32:14, de que o Senhor Se "arrependeu" da intenção de eliminar os israelitas. Como um Deus todo-poderoso, que conhece o fim desde o início, "Se arrepende"? Ou ainda que possa encontrar uma tradução com outro verbo (A New International Version usa o verbo "relent", que significa abrandar-se, ceder), como podemos entender esta idéia de que Deus, de certo modo, muda de idéia?

A melhor resposta parece ser que as palavras "o Senhor Se arrependeu" são uma fraca tentativa de expressar a vontade divina em linguagem humana. Deus "Se arrepende" não quando muda de idéia mas quando, em vez de trazer ira e castigo sobre os pecadores na medida que merecem, Ele perdoa por Sua própria misericórdia e graça, oferecendo um perdão a todos os seres humanos por causa do sacrifício de Cristo.


Quarta

Ano Bíblico: II Sam. 22–24

Amando os desagradáveis – I

"Quando o Senhor começou a falar por meio de Oséias, disse-lhe: ‘Vá, tome uma mulher adúltera e filhos da infidelidade, porque a nação é culpada do mais vergonhoso adultério por afastar-se do Senhor’" (Oséias 1:2, NVI).

São muitas as formas como o Senhor nos ensina o que é o perdão, o que significa e que resultados traz. A história de Oséias e sua esposa adúltera demonstra dramaticamente algumas dessas importantes verdades.

4. Leia Oséias 1. Por que Deus pediu que alguém se casasse com uma mulher adúltera? O que Ele estava querendo ensinar?

Quantos se casariam com alguém sabendo antecipadamente que essa pessoa iria cometer adultério em algum momento do casamento? Mas foi isso que Oséias fez; e a história dele apresenta uma mensagem não só sobre o pecado, mas também sobre o perdão.

Pense nisto: existem poucas formas como uma relação de marido e esposa (que simbolizam a intimidade que Deus quer ter com Seu povo) pode ser mais violada do que no caso do adultério. A palavra chave aqui é relação. O pecado, em essência, danifica nossa relação com Deus e de uns para com os outros. O pecado é uma corrupção do ser inteiro, que só traz como resultado conflito e tumulto em nós mesmos e com os outros. A pessoa se torna incapaz de confiar ou merecer confiança, amar ou ser amada. O pecado não é só o que fazemos; reflete o que nós somos. O adultério, como está apresentado aqui em Oséias, é uma manifestação dramática do pecado e de como ele afeta nossos relacionamentos, não só entre nós mas com Deus.

"Ó homem miserável, que monstro deformado o pecado fez de você! Deus fez você ‘pouco inferior aos anjos’; o pecado tornou você pouco melhor do que os demônios." – Joseph Alleine, citado em Michael Brown, Go and Sin no More (Vai e não Peques Mais), pág. 20.

Só quando entendermos como o pecado é prejudicial para nós poderemos entender quanto custou perdoar o nosso pecado. Olhe para a Cruz e o que aconteceu lá. Jesus, igual ao próprio Deus, levou sobre Si a penalidade pelos nossos pecados – a única forma de serem esses pecados perdoados. Então, o que isso nos diz sobre a malignidade do pecado, visto que custou tanto para perdoar o pecado?


Quinta

Ano Bíblico:. I Reis 1 e 2

Amando os desagradáveis – II – (Osé. 3)

"O Senhor me disse: ‘Vá, trate novamente com amor sua mulher, apesar de ela ser amada por outro e ser adúltera. Ame-a como o Senhor ama os israelitas, apesar de eles se voltarem para outros deuses e de amarem bolos sagrados de uvas passas’" (Osé. 3:1, NVI).

Tente entender o que está acontecendo nesta história. Gômer comete adultério abertamente, mas o Senhor diz a Oséias para levá-la de volta, apesar de uma violação tão atrevida dos votos matrimoniais.

Leia Oséias 3:1-3. O que deve ter passado pela mente dos que viram Oséias voltar e redimir sua esposa? Quantos entenderam esse ato como exemplo da disposição de Deus de aceitar de volta Seu povo adúltero, perdoar seus pecados e curá-los do mal que esses pecados provocaram?

De acordo com a letra da lei, Oséias poderia ter apedrejado sua esposa até a morte; mas ele a trouxe de volta para viver como esposa. Esta é a diferença básica entre a lei e a graça: a lei requer a morte do transgressor, a graça concede o perdão.

5. Leia Romanos 5:20; 7:5; I Coríntios 15:56 e Efésios 2:8. O que estes textos dizem sobre a diferença entre a lei e a graça?

"Portanto, eis que Eu a atrairei, e a levarei para o deserto, e lhe falarei ao coração. E lhe darei, dali, as suas vinhas e o vale de Acor por porta de esperança; será ela obsequiosa como nos dias da sua mocidade e como no dia em que subiu da terra do Egito" (Osé. 2:14 e15). O que este texto nos revela sobre a disposição do Deus do Antigo Testamento em perdoar? Como Jesus Se revela nestas palavras?

Repetidas vezes Israel ficou surpreso pela profundidade do amor e perdão de Deus. É verdade que houve momentos em que o povo teve que ser disciplinado para perceber quão baixo havia caído, mas sempre com a finalidade de ajudá-los a ver o amor de Deus mais claramente. Uma leitura superficial do Antigo Testamento poderia dar ao leitor a impressão de que Deus não é a mesma deidade manifesta em Jesus Cristo. Porém, uma leitura cuidadosa revela o mesmo Deus perdoador que, a fim de ajudar Seu povo a crescer na semelhança do Deus que passou à frente de Moisés, buscou um povo rebelde onde estava em seu desenvolvimento social e espiritual e os conduziu suavemente passo a passo no esforço de educá-los ao nível da relação que Ele idealizava.


Sexta

Ano Bíblico: I Reis 3 e 4

Estudo adicional

Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, págs. 552-556.

"Intercedendo Moisés por Israel, desapareceu-lhe a timidez ante seu profundo interesse e amor por aqueles, em favor dos quais havia sido nas mãos de Deus, o meio para se fazerem tão grandes coisas. O Senhor ouviu-lhe os rogos, e atendeu a sua abnegada oração. Deus havia provado o Seu servo; provara-lhe a fidelidade, e o amor por aquele povo ingrato e propenso ao erro, e, nobremente, resistira Moisés à prova. Seu interesse por Israel não se originara em qualquer intuito egoísta. A prosperidade do povo escolhido de Deus era-lhe mais valiosa do que a honra pessoal, mais apreciada do que o privilégio de tornar-se o pai de uma poderosa nação. Deus Se agradava de sua fidelidade, simplicidade de coração e integridade, e confiou-lhe como a um fiel pastor, o grande encargo de guiar Israel à Terra Prometida." – Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, pág. 319.

"Poucos o pensam em relação a Deus. Poucos tomam em consideração o sofrimento que o pecado causou a nosso Criador. Todo o Céu sofreu com a agonia de Cristo; mas esse sofrimento não começou nem terminou com Sua manifestação em humanidade. A cruz é uma revelação, aos nossos sentidos embotados, da dor que o pecado, desde o seu início, acarretou ao coração de Deus. Cada desvio do que é justo, cada ação de crueldade, cada fracasso da natureza humana para atingir o seu ideal, traz-Lhe pesar." – Ellen G. White, Educação, pág. 263.

PERGUNTAS PARA CONSIDERAÇÃO:

1. Leia a citação acima de Ellen G. White. Como a Cruz nos ajuda a entender o que o pecado faz para Deus?

2.Leia a oração de Daniel no capítulo 9. Examine especificamente os versos 18 e 19. Em que base Daniel apelou a Deus por perdão? Como esse pedido se encaixa com nossa compreensão do evangelho? Em outras palavras, o pedido de Daniel estava baseado realmente em algo diferente do que alguém nos tempos do Novo Testamento se basearia? Explique sua resposta.


Auxiliar e Comentários Adicionais


Esboço

Texto-chave: Êxodo 34:6 e 7

Objetivos:

1. Revelar o amor perdoador de Deus.

2. Mostrar que o "arrependimento" de Deus é realmente o Seu "perdão".

3. Ajudar a classe a entender como Deus ama os desagradáveis.

Esboço:

I. Deus é perdoador (Lev. 1:4).

A. Os exemplos do perdão de Deus podem ser achados em todo o Antigo Testamento.

B. A interação de Deus com a humanidade mantém aberta a porta do perdão.

C. Todos pecam e precisam de perdão.

D. Perdoar também significa "expiar", "purificar" ou "cobrir".

II. O Senhor pode Se arrepender (Êxo. 32:14).

A. Deus pretendia destruir os hebreus por terem adorado o bezerro de ouro.

B. Moisés apelou a Deus para que perdoasse o pecado de Seu povo e poupasse as vidas.

C. Deus Se arrepende quando perdoa por Sua própria misericórdia.

III. Deus ama os desagradáveis (Osé. 1:2).

A. O casamento de Oséias com Gômer assemelha-se à relação de Cristo com Israel.

B. Apesar do adultério de Gômer, Deus pediu que Oséias a levasse de volta.

C. Oséias perdoou Gômer e a restaurou como esposa.

Resumo: Em Oséias 3:1, o Senhor disse a Oséias: "Vai outra vez, ama uma mulher... adúltera". Como igreja de Cristo, temos cometido adultério espiritual contra Ele. Mas, como Oséias, Cristo nos aceita continuamente de volta, nos perdoa e restaura como Sua noiva.

O perdão na Bíblia hebraica

Muitos cristãos estudam e fundamentam sua fé unicamente nos eventos e na mensagem do Novo Testamento. Eles crêem que o Antigo Testamento não passa de um fundo histórico. Os adventistas do sétimo dia reconhecem que o plano da salvação está presente ao longo de toda a Bíblia. Reconhecemos que os eventos do Antigo Testamento apontam repetidamente a disposição de Deus em perdoar Seu povo errante.

A Bíblia é clara sobre nossa relação para com o pecado: Romanos 3:23 diz que "todos pecaram e carecem da glória de Deus". (Veja também Rom. 3:9; Gál 3:22.) Além disso, está claro que todo pecado que cometemos é um pecado contra Deus. "Quando você peca contra seus irmãos dessa maneira, ... peca contra Cristo" (I Cor. 8:12, NVI). "Todo pecado, no fundo, é pecado contra Deus. Quando condenado por Natã, Davi declarou: ‘Pequei contra o Senhor’ (II Sam. 12:13). José também reconheceu que, caso se rendesse à tentação, seu pecado seria contra Deus: ‘Como, pois, cometeria eu tamanha maldade e pecaria contra Deus?’ (Gên. 39:9)." – SDA Bible Commentary, vol. 3, pág. 755. (Veja também, de Ellen G. White, Atos dos Apóstolos, pág. 117.)

Nossa natureza pecaminosa nos faz necessitar grandemente de perdão, sem o qual estamos condenados (Rom. 6:23). Nossa única esperança está em Deus. Temos o conforto de saber que Seu caráter é permanente: "Eu, o Senhor, não mudo" (Mal. 3:6; também veja Heb. 13:8; Tiago 1:17). O Antigo Testamento nos dá um quadro vívido de Seu caráter. Apesar de esse quadro às vezes ser apavorante (Êxo. 15:7; 22:24; Num. 11:33; Jos. 22:20; II Crôn. 28:11; Jó 21:20; etc.), podemos ter segurança na evidência de que Deus está disposto e desejoso de nos perdoar. Podemos estar certos de que, quando nos voltarmos para Ele, Ele estará ansioso para nos perdoar como fazia para perdoar a nação israelita por suas repetidas transgressões.

Uma das aparentes contradições da Bíblia diz respeito ao arrependimento de Deus. Alguns acham difícil harmonizar declarações como: "Também a Glória de Israel não mente, nem Se arrepende, porquanto não é homem, para que Se arrependa" (I Sam 15:29; Ezeq. 24:14) com "Arrependo-me de haver constituído Saul rei" (I Sam. 15:11) e "se a tal nação se converter da maldade contra a qual Eu falei, também Eu me arrependerei do mal que pensava fazer-lhe" (Jer. 18:8; veja também Sal. 135:14; Jer. 18:10; 26:3; 26:13; 42:10; Jonas 3:9 e 10).

O SDA Bible Dictionary faz diferença entre o arrependimento segundo Deus e o arrependimento humano, dizendo que "é no sentido de lamentar que Deus parece Se arrepender. ... Ele não pode mudar de propósito, mas o homem, sendo um agente moral livre, pode mudar o resultado do propósito de Deus". – Pág. 933. "O arrependimento do homem implica uma mudança de intuitos. O arrependimento de Deus implica uma mudança de circunstâncias e relações. O homem pode mudar sua relação para com Deus, conformando-se com as condições sob as quais pode ser levado ao favor divino; ou pode, de moto-próprio, colocar-se fora da condição favorável." – Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, pág. 630.

A história de Oséias dá um exemplo dramático da disposição de Deus para trabalhar com Seu povo para que estes desejem adequar-se à Sua vontade. O amor de Deus aparece claramente nesta história. Conforme o profeta atravessava suas dolorosas experiências, também entendeu como os repetidos pecados de Israel afetavam o Deus que os amava. "Ao longo do seu livro Oséias descreve o anelante amor de Deus por Seu povo obstinado."SDA Bible Commentary, vol. 4, pág. 886. Como Oséias, Deus de boa vontade aceitou Seu povo cada vez que se voltou a Ele, apesar de todos os males que cometeram.

O perdão do Antigo Testamento não é diferente do perdão do Novo Testamento. O Deus de Israel estava disposto a mudar de idéia sempre que os israelitas mudavam suas circunstâncias. O Deus do Novo Testamento nos assegura que "Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça" (I João 1:9).

Estudo Indutivo da Bíblia

Textos: Êxodo 34:5-7; Oséias 1:2-8; 11:1-11.

1. Existe um bom número de exemplos no Antigo Testamento (bem como no Novo Testamento) nos quais Deus parece não estar disposto a perdoar. Releia a história da queda de Adão e Eva, por exemplo (Gênesis 3); por que Deus não estava disposto a perdoar? Ou qual é a evidência de que Deus realmente perdoou Adão e Eva? A justiça de Deus é sempre redentiva?

2. Deus perdoou o caso de adultério de Davi com Bate-Seba (II Samuel 11 e 12). Mas o pecado de Davi teve conseqüências que não podiam ser desfeitas. O que este fato nos revela sobre os limites do perdão de Deus? Que dizer de nossa capacidade de perdoar?

3. O perdão envolve relacionamentos. O pecado prejudica nossos relacionamentos com Deus e com os outros. O perdão ajuda a restabelecer esses relacionamentos. Embora os efeitos dos relacionamentos danificados dificilmente passem, como as pessoas envolvidas em nossa vida – direta ou indiretamente – são afetadas por nossas demonstrações de perdão? O perdão pode ser mal-utilizado ou mal-dirigido?

4. Usar o exemplo de Oséias e de Gômer para ilustrar o perdão não é ir ao extremo? Mas não é esse o ponto? O perdão de Deus é extremo, extravagante a ponto de ser ofensivo. Convide sua classe a comentar algumas das lutas que tiveram para perdoar alguém que os ofendeu.

5. A história de Oséias e de Gômer não termina; não sabemos se o perdão de Oséias criou alguma mudança duradoura em Gômer. Pergunte à sua classe quantos acham que Gômer atendeu ao oferecimento de perdão por parte de Oséias e quantos acham que ela ignorou as tentativas de reconciliação. Peça que dêem outros exemplos no Antigo Testamento em que o perdão de Deus alcançou o efeito desejado.

Testemunhando

Muitos não se arrependem de seus pecados porque não crêem que Deus os perdoa. Alguém certa vez disse: "Não importa o que fizer, estou perdido de qualquer maneira". Muitos vão se perder simplesmente porque crêem assim. Não entendem realmente o perdão de Deus. Deus perdoa todos os nossos pecados. Como testemunhas de Deus, devemos dizer aos outros que embora odeie o pecado, Deus ama o pecador e quer nos perdoar e salvar de nossos pecados.

Quando Adão e Eva comeram o fruto proibido, a lei de Deus requeria justiça, mas Seu amor proveu graça. A desobediência a Deus requeria retribuição. A humanidade teria que pagar a penalidade pelo pecado. Mas desde o início, um Deus misericordioso e amoroso tinha um plano de restauração.

O Deus do Antigo Testamento esticou Seu braço até o tempo do Novo Testamento, e lá Ele colocou Seu próprio Filho. Cristo viria como Homem a fim de morrer pelos pecados de toda a humanidade. Mas Cristo não iria apenas morrer por nossos pecados, Ele nos livraria dos pecados, levando-os sobre Si Mesmo. Não teríamos mais a culpa do pecado. Na Cruz existem retribuição e restauração. Existe castigo pelo pecado e libertação do pecado.

O Senhor é o Deus do Antigo e do Novo Testamento. Ele exige obediência à Sua lei e demanda justiça quando essa lei é quebrada, mas também mostra misericórdia ao nos perdoar quando desobedecemos à Sua lei e promete um dia nos restaurar a um estado sem pecado.

Aplicações à vida diária

Ponto de partida:

Quando querem extorquir dinheiro dos ricos, os bandidos não seqüestram os filhos da empregada. Eles precisam da força do amor familiar. Como esse fato ajuda a perceber o valor que Deus dá à humanidade? Que luz este fato traz sobre a disposição de Moisés em sacrificar-se (Êxo. 32:32)? Que palavras ocorrem repetidamente nessa conversa?

Perguntas para consideração:

1. Diversas pessoas agiram mal para com José, inclusive seus irmãos, a mulher de Potifar e o próprio Potifar. Mas Deus usou José poderosamente. Embora a Bíblia não diga especificamente que José perdoou cada uma das pessoas que lhe fizeram mal, podemos admitir que sim porque Deus o usou? Um registro de perdão tem influência quando Deus escolhe as pessoas para serem colaboradoras de Cristo?

2. Você seria capaz de perdoar tanto como José? É mais fácil perdoar os parentes ou pessoas de fora de sua família? Você tem limites para o perdão? Quem é José em sua família e quem precisa desenvolver o espírito de perdão?

3. Um filme que trata da história da Cidade das Crianças em Omaha, EUA, inclui a famosa cena de um menino carregando seu irmão nas costas e dizendo: "Ele não é pesado; ele é meu irmão". Como um mortal pode se tornar um carregador de fardos pesados, um perdoador? "Verdadeiro crente" é uma expressão comum. Alguém pode ser perdoador sem primeiro tornar-se um "verdadeiro crente" em Deus?

Perguntas de aplicação:

1. Listas de sinônimos para "perdoar" incluem absolver, libertar, tolerar, desembaraçar, libertar, livrar, soltar, descarregar, desculpar e ceder. Com base na lição desta semana e seu estudo de cada palavra arrolada aqui, assinale as palavras que se aplicam ao perdão de Deus para você. Algumas dessas palavras são impróprias para o perdão cristão? existem outros sinônimos que poderiam ser considerados?

2. Preencha o espaço em branco. Se a semente de mostarda simboliza a fé, _____________ simboliza o perdão. Explique sua comparação.

3. Os símbolos usados no cristianismo incluem uma chama, uma âncora de navio e uma pomba. Que símbolo poderia ser usado para o perdão?