Make your own free website on Tripod.com

Lição 11

7 a 14 de junho


A partir do coração

 


Sábado à tarde

Ano Bíblico: Jó 18 e 19

VERSO PARA MEMORIZAR: "Pois por suas palavras vocês serão absolvidos, e por suas palavras serão condenados" (Mateus 12:37, NVI).

DIZEMOS QUE NOSSOS PECADOS são perdoados pelo Senhor, mas entendemos quais são os meios?

Quer dizer que nós, que antes estávamos separados de Deus (Col. 1:21), agora estamos reconciliados com Ele pela morte de Jesus (II Cor. 5:18). Quer dizer que nós, que estávamos condenados (João 3:18) por causa dos nossos pecados, estamos agora livres da condenação por causa deles (Rom. 8:1). Quer dizer que nós, que estávamos condenados à morte eterna (Efés. 2:1), agora temos a promessa de vida eterna (I João 5:12).

Deste modo, a pergunta é: Como podemos nós, que já estivemos alienados de Deus, e que agora estamos reconciliados com o Senhor, que já estivemos condenados, mas que agora estamos perdoados, e que já estivemos destinados à morte, e que agora temos a vida eterna, a quem já sucederam todas estas grandes coisas, como podemos não ser radicalmente transformados?

É impossível. Nascemos de novo, somos novas criaturas em Cristo. E entre as muitas diferentes maneiras como manifestamos essa mudança em nossa vida, o que dizemos e o que pensamos está entre as coisas mais importantes.

É por isso que a Bíblia tem tanto a dizer não apenas sobre nossas palavras como também sobre nossos pensamentos. E é por isso que nesta semana vamos examinar rapidamente o que as Escrituras dizem sobre este importante assunto.


Domingo

Ano Bíblico: Jó 20 e 21

O poder das palavras

"A língua é fogo; é mundo de iniqüidade. ... Com ela, bendizemos ao Senhor e Pai; também, com ela, amaldiçoamos os homens. ... De uma só boca procede bênção e maldição" (Tiago 3:6, 9 e 10).

Leia toda a passagem (Tiago 3:2-13). O que Tiago está dizendo sobre as palavras é verdade não apenas sobre a palavra falada mas também da impressa. Quantas pessoas foram destruídas pelas palavras, faladas ou escritas; ao mesmo tempo, quantos foram fortalecidos e encorajados pelas palavras, escritas ou faladas? Transmitidas pela luz (escritas) ou pelo ar (som), de qualquer modo as palavras são uma força poderosa para o bem ou para o mal.

1. Note as imagens e metáforas que Tiago usou para descrever o efeito das palavras na lista abaixo. Na linha ao lado, escreva o que Tiago estava tentando dizer com a imagem que usou:

Em essência, Tiago estava dizendo que a língua (símbolo das palavras, fala), embora pequena, tem muita influência, e que seu potencial para o mal é grande.

De fato, note como esta seção tem um toque negativo. Em certo lugar, ele até chama a língua de "mal incontido, carregado de veneno mortífero" (v. 8). Obviamente, ciente do que as palavras podem fazer, ele está lhes pedindo que se lembrem disso porque são cristãos que precisam agir como cristãos (vejam Tiago 2:14-26), e isso inclui guardar a língua.

Que dor você sentiu quando alguém usou palavras ásperas ou indelicadas? Ao mesmo tempo, que alegria e felicidade sentiu quando alguém lhe falou com bondade? Pense nesses exemplos (e se você estiver disposto, conte à classe) até que possa ver claramente o poder das palavras para o bem ou para o mal. Por que as palavras vêm tão carregadas de poder?


Segunda

Ano Bíblico: Jó 22–24

Mexeriqueiro

"Não espalhem calúnias entre o seu povo" (Lev. 19:16, NVI).

O verso de hoje mostra que mesmo nos dias de Moisés as pessoas precisavam que Deus guardasse a sua boca.

A palavra traduzida aqui por "espalhar calúnias" (mexeriqueiro, na Almeida) vem de uma palavra hebraica que significa "andar por aí" como caluniador, fofoqueiro, ou mesmo negociante.

O fascinante é que esta palavra aparece (em forma ligeiramente diferente) em Ezequiel 28:5, quando – usando uma potestade terrestre como símbolo de Satanás – o Senhor diz: "Por sua grande habilidade comercial você aumentou as suas riquezas e, por causa das suas riquezes, o seu coração ficou cada vez mais orgulhoso. Por isso, assim diz o Soberano, o Senhor: ‘porque você pensa que é sábio, tão sábio quanto Deus...’" (Ezeq. 28:5 e 6, NVI). A expressão ‘habilidade comercial’ vem da mesma raiz da palavra traduzida como "mexeriqueiro" em Levítico 19:16. Sem forçar muito, não é difícil ver que a calúnia, a fofoca e o boato são todos atributos de Satanás, sem dúvida o maior caluniador, mentiroso e mexeriqueiro da toda a Criação.

2. Leia estes versos. Em cada caso, o que eles nos revelam sobre Satanás?

Jó 1:9-11

Zac. 3:1

João 8:44

Apoc. 12:10

Não existe dúvida de que Satanás é um mexeriqueiro, fofoqueiro, espalhador de boatos e que consegue seus intentos por meio de mentiras, calúnias e acusações. Assim, quando fazemos o mesmo, ainda que seja só um pouquinho, estamos refletindo seus atributos, e não os de Deus. Não admira que a Bíblia dê tanta ênfase às palavras. Não admira que nós, que fomos redimidos por Cristo, perdoados de tudo o que Satanás (ou outros) poderia usar para fazer acusações contra nós, devemos ser os mais cuidadosos de todos sobre o que dizemos quando falamos aos outros.

Ao mesmo tempo, como lidamos com pessoas que sabemos estarem fazendo mal, especialmente a outra pessoa? Não dizemos nada enquanto o mal está acontecendo? Como permanecer fiéis ao Senhor e, ao mesmo tempo, não nos omitirmos quando o mal está acontecendo?


Terça

Ano Bíblico: Jó 25–28

História de mentiras, palavras de verdade

A Bíblia conta uma longa e trágica história de inverdades, que podem ser resumidas brevemente como segue:

1. A mentira original foi uma contradição frontal do que Deus disse, desafiando diretamente tanto Sua autoridade divina como Sua perfeita justiça (Gên. 3:16).

2. Muito cedo, na história da humanidade, ficou evidente que ao crer nas mentiras de Satanás os seres humanos se tornaram estranhos à verdade e passaram a refletir a mentira e falsidade do inimigo em sua própria natureza caída (Gên. 4:8 e 9; 12:10-20; 27:6-24).

3. Jesus indicou que a mentira e o engano deveriam desempenhar crescente papel no esforço do inimigo para obter o controle da humanidade (Mat. 7:15; 24:23 e 24).

4. A campanha de engano de Satanás vai se intensificar à medida que o tempo se aproxima do final (II Tess. 2:9-12).

5. Finalmente, a trágica história de mentiras e enganos vai terminar (Apoc. 21:27; 22:15).

3. Resuma em suas próprias palavras o que Paulo está dizendo em Efésios 4:15, 25 e 29. Note a ênfase no que dizemos. Por que ele nos adverte sobre o uso das palavras? Como podemos "transmitir graça aos que ouvem" nossas palavras?

Talvez a Bíblia fale tanto sobre o cuidado com as palavras porque elas surgem tão facilmente. Tudo o que temos que fazer é falar. Imagine se cada vez que abríssemos a boca, saíssem tiros em vez de palavras. É claro que pensaríamos com muito mais cuidado antes de abrir a boca. Mas as palavras podem ser quase tão devastadoras quanto tiros. Assim, como é importante vigiá-las cuidadosamente. Ao mesmo tempo, como Paulo escreveu em Efésios, as palavras também têm o potencial de fazer o bem.

Em Efésios 4:15, Paulo fala de seguirmos a verdade "em amor". O que significa isso? Não é só o que dizemos, mas a forma como falamos, e até mesmo o motivo por que dizemos, que é importante.


Quarta

Ano Bíblico: Jó 29–31

Crime em pensamento

"O homem bom tira do tesouro bom coisas boas; mas o homem mau do mau tesouro tira coisas más" (Mat. 12:35).

Em 1948, o inglês George Orwell escreveu uma história clássica, 1984, com a visão de um mundo controlado firmemente pelo Estado, onde até os pensamentos errados eram castigados como crimes.

Claro, 1984 veio e foi, e a maioria dos governos até hoje não se importa realmente com o que você pensa; é só o que você diz ou faz que os preocupa.

Mas a Bíblia deixa claro que Deus Se importa com o que pensamos, e não só com o que dizemos ou fazemos.

4. Leia os textos seguintes, e resuma o que eles estão dizendo: Êxo. 20:17; I Sam. 16:7; Mat. 5:8; 12:35

Embora se possa tirar muito desses textos, é claro que Deus Se importa com os nossos pensamentos, nossos motivos, nosso coração. E a razão não é difícil de encontrar: o que pensamos, o que está em nosso coração, determina diretamente o que dizemos ou fazemos. Palavras e ações, para o bem ou para o mal, originam-se do que Jesus disse (Mateus 12) ser o mau ou o bom tesouro armazenado em nosso coração.

Também porque ninguém vive em um vazio; o que dizemos e o que fazemos provoca um impacto sobre os outros, para o bem ou para o mal, e o que dizemos e fazemos vem diretamente do que pensamos. Se pensarmos coisas boas e puras, é mais que provável que se seguirão palavras e atos bons e puros; se pensarmos coisas más, é mais que provável que se seguirão palavras e atos maus.

Por diversas vezes o Novo Testamento, assim como o Antigo, adverte contra a cobiça. De fato, este é único pecado incluído nos Dez Mandamentos que trata somente do pensamento. Por que a cobiça é considerada tão prejudicial pelo Senhor que está incluída na mesma categoria do assassinato e do adultério? Por que é tão ruim a cobiça e também considerada idolatria? (Col. 3:5). Que outros males surgem diretamente da cobiça?


Quinta

Ano Bíblico: Jó 32–34

"Pensem nessas coisas"

"Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama; se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas" (Filip. 4:8, NVI).

Se, como vimos em uma lição anterior, as palavras ocorrem facilmente, que dizer dos pensamentos? As palavras pelo menos exigem que a gente abra a boca; O pensamento nem isso requer. Tudo o que é necessário é a consciência. Pensamentos surgem sem qualquer esforço de nossa parte; na verdade, eles geralmente ocorrem queiramos ou não. Assim, se nos é dito que precisamos controlá-los, a grande pergunta é: Como? Em comparação com o controle do pensamento, o controle da língua até que é fácil.

A primeira coisa que devemos lembrar é que os pensamentos, por mais espontâneos que sejam, não surgem no vazio. Aquilo em que focalizamos nossa mente, o que lemos, o que falamos, o que fazemos, tudo tem impacto sobre o que pensamos. Mesmo como cristãos nascidos de novo, não podemos nem começar a obter vitória sobre os pensamentos se não buscarmos a graça e o poder de Deus.

Pense no verso de hoje. Sobre o que Paulo nos diz que devemos pensar? Que coisas são nobres, verdadeiras, corretas, puras, amáveis etc.? Faça uma lista de cada uma dessas características e escreva ao lado o que se enquadra nessa categoria. Olhe para a lista; demore-se nela; ore sobre ela (até seria interessante compartilhar sua lista com a classe).

Naturalmentre, nada é mais puro, amável, verdadeiro e justo do que Jesus. Como seres pecaminosos, caídos, não temos acesso a nada, nem no Céu nem na Terra, que nos revele essas características tão perfeitamente quanto Cristo. Se, pela submissão diária, passarmos tempo em comunhão com Ele (II Cor. 10:5; Filip. 2:5), em Seu caráter, Suas palavras, Suas ações, Seu amor, Sua misericórdia, Sua compaixão e obediência, teremos mais vitórias em todas as áreas da vida.

Não é por acaso, então, que o tempo de devoção pessoal é tão importante. Se pudermos começar cada dia lendo a Bíblia, orando e estudando, podemos obter uma boa vantagem na batalha diária para controlar a mente, as palavras e até mesmo as ações.

Pense em sua própria vida. Em seus pensamentos. Em que coisas você se demora olhando, sobre que coisas você pensa e lê? Que mudanças você precisa fazer?


Sexta

Ano Bíblico: Jó 35–37

Estudo adicional

Leia, de Ellen G. White, Parábolas de Jesus, "Como Enriquecer a Personalidade", págs. 335-339.

"Bom seria passar cada dia uma hora de reflexão, recapitulando a vida de Jesus da manjedoura ao Calvário. Devemos tomá-la, ponto por ponto, deixando que a imaginação se apodere vividamente de cada cena, em particular das cenas finais de Sua vida terrestre. Contemplando assim Seus ensinos e sofrimentos, e o infinito sacrifício por Ele feito para redenção da raça humana, podemos revigorar nossa fé, vivificar nosso amor e imbuir-nos mais profundamente do espírito que sustinha nosso Salvador." – Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, vol. 4, pág. 374 (em preparo).

"Muitos há para quem a vida é uma penosa luta; sentem suas deficiências, e são infelizes e incrédulos; pensam nada terem por que ser agradecidos. Palavras bondosas, olhares de simpatia, expressões de apreciação, seriam para muitas almas lutadoras e solitárias como um copo de água fria a uma alma sedenta. Uma palavra compassiva, um ato de bondade, ergueriam fardos que pesam duramente sobre fatigados ombros. E toda palavra ou ato de abnegada bondade é uma expressão do amor de Cristo pela humanidade perdida." – Ellen G. White, O Maior Discurso de Cristo, pág. 23.

PERGUNTAS PARA CONSIDERAÇÃO:

1. Jesus disse: "Pois por suas palavras vocês serão absolvidos, e por suas palavras serão condenados" (Mat. 12:37, NVI). O que Ele queria dizer com isso?

2. Por que Paulo em Colossenses 3:5 compara a cobiça com a idolatria?

Auxiliar e Comentários Adicionais


Esboço

Texto-chave: Mateus 12:37

Objetivos:

1. Mostrar que, por intermédio de Jesus, nossas palavras e pensamentos podem ser uma bênção.

2. Mostrar o poder das palavras para o bem ou para o mal.

3. Ajudar a classe a reconhecer que aquilo em que nossa mente se demora afeta os pensamentos.

Esboço:

I. As palavras são poderosas! (Apoc. 12:10).

A. A boca fala do que está no coração.

B. Palavras impressas ou faladas são uma força poderosa para o bem ou para o mal.

C. Satanás é caluniador, fofoqueiro, mentiroso e boateiro.

D. Satanás quer que sejamos como ele.

II. Uma história triste (Gên. 3:4).

A. Satanás mentiu no Céu e no Éden.

B. O povo creu nas mentiras de Satanás e se tornou mentiroso como ele.

C. Para Deus, nossos pensamentos são importantes.

III. Pensar em coisas boas (Filip. 4:8).

A. Os pensamentos são mais difíceis de controlar do que as palavras.

B. Pensar no Jesus amável e puro traz como resultado uma vida cristã mais vitoriosa.

C. Começar o dia com estudo da Bíblia e oração ajuda a controlar a mente e as palavras.

Resumo:

Provérbios 23:7, na nossa Versão Almeida, diz: "Porque, como imagina em sua alma, assim ele é." A Today’s English Version diz: "O que ele pensa é o que ele realmente é." Para ser semelhantes a Cristo, precisamos pensar sobre Ele – como Ele viveu na Terra, o que Ele fez por nós na Cruz e Seu trabalho presente por nós no Céu.

A partir do coração

Quando estudamos o conceito do perdão e como o perdão se manifesta em nossa vida, fica evidente o poder das palavras. Por nossas palavras, temos a oportunidade de ferir ou curar. Embora pequenas e aparentemente inocentes, nossas palavras podem ser nossa maior arma, para o bem ou para o mal. Assim é que as palavras desempenham um enorme papel em nossas relações com os outros e com Deus. "O curso da vida de uma pessoa, ou da igreja, muitas vezes é posto em chamas pela ira e por palavras mal-escolhidas. ... A ‘língua’ que destrói a harmonia, a paz e a amizade é motivada por uma vontade que está sob controle de Satanás." – SDA Bible Commentary, vol. 7, pág. 526.

O abuso da língua surge de um coração e mente que não estão em sincronia com o plano de Deus. "A linguagem impura é sinal de um coração corrupto, ‘porque a boca fala do que está cheio o coração’. (Mat. 12:34). Afirmações e gracejos profanos, canções obscenas e até mesmo a conversa frívola e insípida, não têm lugar na vida do cristão; na verdade, eles são a marca registrada do espírito não regenerado."SDA Bible Commentary, vol. 6, pág. 1.028.

Se não consagrarmos a língua a Deus, ela será usada por Satanás. Ellen G. White declara que "precisamos especialmente nos guardar de ter uma língua que seja santificada a Satanás. A língua que Deus deu deve ser usada para glorificar a Deus em nossas palavras. A menos que seja assim, seremos um obstáculo direto no caminho da obra de Deus neste mundo, e os juízos do Céu seguramente cairão sobre nós." – SDA Bible Commentary, vol. 5, pág. 1.093.

Ela nos orienta a manter "a língua santificada a Deus. Abstenha-se de dizer qualquer coisa que poderia diminuir a influência de outros; pois condescendendo nessas palavras de crítica, você blasfema do nome santo de Deus tão certamente quanto faria se estivesse praguejando."Ibidem, pág. 1.093.

Seria sábio lermos esta última citação de vez em quando. Como é fácil lembrar de não praguejar; mas como é fácil esquecer que jurar não é a única maneira como podemos blasfemar o nome de Deus!

A mentira é outra forma destrutiva de abusar da língua. Quando mentimos, nos colocamos no terreno de Satanás, porque ele é o originador dessa prática (Gên. 3:1-5). "A verdade e Satanás não têm nada em comum. ... A natureza dele é mentir. ... Como mentiroso, Satanás foi expulso do Céu e nunca mais vai recuperar seu lugar. Nem os seus filhos."Ibidem, pág. 992. É claro que a penalidade pelo uso errado da língua pode ser severa.

É evidente que existem penalidades mais imediatas para a mentira. "O engano traz sua própria desintegração espiritual para o enganador, freqüentemente prejudicando-lhe mais do que ao enganado. ... A mentira tende a romper a fraternidade; o engano lança um membro contra o outro."Ibidem, vol. 6, pág. 1.027.

Felizmente, existe um caminho para dominar a língua: "Apesar da dificuldade de domar a língua, Deus trabalhará por nós se rendermos a vontade a Ele. Realmente, os pensamentos devem ser dominados antes que a língua seja domesticada, ... mas a fim de controlar os pensamentos a pessoa deve primeiro render o coração a Deus."Ibidem, vol. 7, pág. 527. "Pela ajuda que Cristo pode dar, seremos capazes de aprender a controlar a língua." – Comentários de Ellen G. White, SDA Bible Commentary, vol. 7, pág. 936.

Precisamos ser extremamente cuidadosos com o que alimentamos a mente, porque "a mente é a faculdade central e controladora dos seres racionais. ... De conformidade com o que a pessoa pensa, ela vai agir (cf. Prov. 23:7). É impossível à mente má fazer outra coisa a não ser produzir obras más."Ibidem, pág. 194.

"Todos os que vão entrar no reino de Deus desenvolverão um caráter semelhante ao de Deus. ...

"Não temos um único pensamento nobre que não venha dEle. ...

"Um intelecto enobrecido, purificado, dirigido pelo Céu, é o poder universal para construir o reino de Deus. Um intelecto pervertido tem uma influência exatamente oposta; é a corrupção do poder humano dado em confiança para ser multiplicado em trabalho sério para o bem." – Comentários de Ellen G. White, SDA Bible Commentary, vol. 6, pág. 1.105.

Podemos encher nossa mente com idéias enobrecedoras que se traduzam em ação amorosa e cristã, ou podemos enchê-la de conceitos e idéias mundanas que se expressem de forma a alegrar Satanás. Ellen G. White nos lembra que "Satanás não pode tocar na mente ou no intelecto a menos que o submetamos a ele". Ibidem, pág. 1.105. Ele não hesitará em usar "sua mente, se você a entregar a ele". – Ibidem, pág. 1.105.

"Se quisermos viver corretamente, precisamos pensar corretamente. O desenvolvimento do caráter cristão exige pensamentos corretos."Ibidem, vol. 7, pág. 177.

Estudo Indutivo da Bíblia

Textos: Mateus 12:30-37; João 3:1-8; II Coríntios 5:16-21; Efésios 2:19-22; 4:25-32; Filipenses 4:8 e 9; Tiago 3:2-13

1. A declaração de Jesus a Nicodemos: "É necessário que vocês nasçam de novo" (João 3:7, NVI), deve ter deixado Nicodemos totalmente chocado. Mas Jesus estava falando de um novo nascimento espiritual para uma forma totalmente nova de relacionamento com Deus e de uns para com os outros. Peça aos membros de sua classe para mencionarem maneiras como uma nova relação com Cristo mudou radicalmente a maneira como consideram os outros. Esteja preparado para contar exemplos de sua própria vida.

2. Leia Efésios 2:1-10. Identifique: (1) os meios que Deus usou para nos salvar de nossa antiga forma de viver, (2) o mal de onde fomos salvos e (3) o estilo de vida positivo e saudável que Deus pretende para todos os que são leais a Ele.

3. "Se não tem algo de bom para dizer sobre alguém, não diga nada mesmo." Aquela declaração, embora não se encontre na Bíblia, é uma forma de evitar o uso da língua como instrumento de crueldade e fofoca e reservá-la completamente para louvar a Deus e pregar as boas-novas da vinda de Jesus. Que textos bíblicos reforçam a declaração acima?

4. Em seguida ao conselho de Paulo em Filipenses 4:8 sobre as coisas em que os cristãos devem pensar, vem um trecho bastante estranho: "Ponham em prática tudo o que vocês aprenderam, receberam, ouviram e viram em mim" (v. 9, NVI). Você acha que Paulo queria realmente se oferecer como exemplo do viver cristão? Podemos – ou devemos – fazer o mesmo oferecimento a outros cristãos? Que outros cristãos você estimulou no passado? O que podemos aprender dos maus exemplos?

Testemunhando

Linda ainda podia sentir a rudeza das palavras dirigidas a ela por uma mulher que devia ter sido sua conselheira: "Você nunca vai ser nada na vida", ela disse. As palavras duras cortaram seu coração como uma navalha. Mas o que Linda realmente não podia entender era por que essa mulher, que era uma das líderes da igreja, falou assim com uma jovem. Embora fosse uma adolescente teimosa, decidida a fazer as coisas à sua maneira, Linda esperava ouvir algo muito diferente, talvez mais encorajador de um adulto, especialmente de um cristão. Mas por mais severas que fossem as palavras, aquela declaração foi o ponto decisivo na vida da jovem Linda. Daquele momento em diante ela decidiu ser alguém na vida. E conseguiu. Vinte anos mais tarde, Linda era uma médica bem-sucedida.

Embora a história de Linda tivesse um final feliz, muitas pessoas não reagem bem a palavras duras. Muitos são feridos por fofocas, mentiras ou calúnias. Por outro lado, muitas pessoas são ganhas para Cristo por palavras amáveis e de encorajamento, ou palavras de amor e paciência.

A Bíblia nos diz: "A boca fala do que está cheio o coração" (Mat. 12:34). Quando o coração (a mente) está cheio de inveja, engano, fofoca, rivalidades e coisas semelhantes, a boca profere essas coisas na conversa. O povo de Deus, ao contrário, deve falar palavras de vida, palavras que sejam positivas, palavras que apontem ao ouvinte a direção do Céu.

Aplicações à vida diária

Ponto de partida:

Cante em voz alta ou leia como um jogral com seus companheiros de estudo as estrofes de "Jesus me Remiu!" (HASD, nº 209).

Perguntas para consideração:

1. Que papel a confiança tem na manutenção do coração? Cristo tem confiança absoluta de que pode, por Seu Espírito, ajudar você a desenvolver e se tornar um glorioso refletor do amor do Pai que produz o fruto do Espírito. Você confia seu coração a Ele?

2. Pepinos em conserva doces e azedos têm a mesma base: pepinos. A calda em que os pepinos são saturados faz a diferença. Com que você satura seu coração? Como o coração pode ficar doce ou azedo? Leia as instruções para o cuidado do coração dados em Provérbios 4.

Perguntas de aplicação:

1. O que você acha deste comentário? "D. L. Moody certa vez disse que a melhor maneira de mostrar que uma vara é torta é não discutir sobre ela ou gastar tempo denunciando isso, mas colocar uma vara reta ao lado dela.

"A vara reta na vida dos cristãos é o amor infindável de Cristo! Quando nossos olhos perdem de vista essa deslumbrante verdade, restam apenas sombras. Sombras como a inveja, o ciúme e a comparação de nós mesmos com os outros." – William Backus e Marie Chapian, Telling Yourself the Truth, pág. 31. Com que medida você compara a saúde do seu coração?